Retrospectiva: minhas viagens em 2017

2017 foi maravilhoso pra mim, tanto profissional quanto pessoalmente. E foi um ano de muitas, mas muuuitas viagens. Parando pra contar, eu estive em 13 países só este ano (sim, TREZE!!), sendo 3 vezes na Itália e em 4 países pela primeira vez: Uruguai, Argentina, Escócia e Irlanda. Foram mais países do que meses. Mesmo assim, foi de longe o ano mais produtivo do meu doutorado.

Em 2015, eu viajei todos os meses do ano e em 2016, quase (só 1 mês ficou de fora). Esse ano foi diferente: a grande maioria das minhas viagens ficou concentrada no primeiro semestre, quando há o maior número de feriadões e a primavera/verão, mas foram uma ou duas viagens por mês. Foram tantas idas e vindas entre janeiro a agosto, que eu confesso que até eu fiquei um pouquinho cansada. 😀

JANEIRO: Rio de Janeiro / Uruguai + Argentina

Como sempre, eu passei a virada de ano na minha linda cidade, Rio de Janeiro.
E, achando um absurdo eu conhecer tantos países da Europa mas só o Brasil na América do Sul (e mesmo assim, nem o país todo), eu finalmente resolvi mudar isso. Viajei com o meu pai por Montevidéu, Punta del Este e Colonia del Sacramento (no Uruguai) e, depois de cruzar de um país ao outro de barca, Buenos Aires (na Argentina).

montevideo
Montevidéu, Uruguai

FEVEREIRO: Suíça

Minha segunda vez em Genebra e terceira na Suíça, dessa vez pra comemorar o aniversário de uma amiga querida, que de quebra me levou pra comer muito queijo e conhecer o detector de colisão de partículas da CERN. Também visitei Montreux, Vevey e Lausanne, que compõem a Suíça francesa, ou Riviera Suíça. Um cenário lindo com a neve no topo das montanhas.

switzerland.jpg
Suíça francesa

ABRIL: Escócia / Irlanda

Feriado de Páscoa conhecendo a Escócia pela primeira vez com uma amiga do mestrado e uma amiga de infância do Rio que nos encontrou lá. Visitamos Edimburgo e Glasgow e fizemos passeios para o Lago Ness, as Highlands, Stirling, Lago Lomond e uma destilaria de uísque.

E eu visitei o meu 27° país, a Irlanda, no meu 27° aniversário, no feriadão do dia do trabalho. Fiquei hospedada com uma amiga do mestrado que foi uma ótima anfitriã. Conheci Dublin e fiz passeios para os Cliffs de Moher e Howth e a baía de Galway. Apesar da fama de chover bastante tanto na Escócia quanto na Irlanda, foram lindos dias de sol de primavera!

ireland.JPG
Cliffs of Moher, Irlanda

MAIO: Alicante (Espanha) / Torino + Cinque Terre + Pisa (Itália)

Cheguei de Dublin e, no dia seguinte, quase sem respirar, voei para Alicante para uma conferência para doutorandos de Neurociências. O resort perto da praia, onde o evento ocorreu, os amigos e o tempo quente e ensolarado fizeram parecer que a viagem foi puramente a lazer.

No feriadão do fim de maio, fui à Itália com meu melhor amigo. Ele queria conhecer Torino (fã do Juventus!) e eu, Cinque Terre: os 5 vilarejos à beira do mar, com lindas casinhas coloridas nos penhascos. Então, fizemos ambos! E de quebra, Pisa também, que era ali do lado. Que visuais deslumbrantes!! Dentre as minhas viagens de 2017, essa leva o prêmio de melhor destino.

cinque terre 02
Manarola (Cinque Terre), Itália

JUNHO: Paris / Amsterdam

Minha terceira vez em Paris, visitando uma amiga carioca no fim de semana, em pleno verão (e que calor!). Visitamos o que faltava pra nós duas conhecermos por ali: o Palácio de Versalhes.

Também passei uma semana em Amsterdam para participar de um curso maravilhoso de BioBusiness, hospedada gentilmente por uma amiga do mestrado.

versailles.JPG
Palácio de Versalhes

JULHO: Göttingen (Alemanha) / Leuven (Bélgica)

Estive de volta à cidade alemã onde eu morei durante o mestrado, Göttingen, por uma semana a trabalho, rodeada de amigos. E mais tarde fui a Leuven (minha segunda vez) para o casamento de uma amiga querida. Que fim de semana especial e maravilhoso!

AGOSTO: Kenilworth (Inglaterra)

Mais um fim de semana para comemorar o casamento de outra amiga querida, dessa vez em Kenilworth, na Inglaterra. Teve muito amor, muito sol, céu azul e caipirinha. Foi realmente incrível!

OUTUBRO: Veneza (Itália)

Uma viagem super romântica com meu namorado (nossa primeira juntas, e primeira vez em Veneza!). Fiz um post contando tudo sobre o que ver por lá além da ilha principal: Burano, Murano, Torcello e Sant’Erasmo.

venice.jpg
Veneza, Itália

DEZEMBRO: Roma / Rio de Janeiro

Indo de Berlim pro Rio com uma amiga que estava no mesmo voo, tivemos uma conexão de 7 horas em Roma. Apesar de não ter sido nossa primeira vez lá, fomos andar pela cidade cheia de luzes de Natal. Parece que a Itália não queria me largar esse ano.

E 2017 termina onde começou: no Rio de Janeiro. 🙂

riorainbow.jpg
Rio de Janeiro, Brasil

Mal posso esperar por 2018 e as viagens que virão! Feliz ano novo a todo mundo!!!


Retrospectiva 2016

Retrospectiva 2015

Respondendo à pergunta “Como você faz para viajar tanto?”

Anúncios

As ilhas da lagoa de Veneza: Murano, Burano, Torcello

Veneza é um belo destino que atrai milhares de turistas diariamente. Antes de visitá-la pela primeira vez, eu sabia que corria o risco de a cidade ser superestimada, mas minhas expectativas foram correspondidas. Talvez uma decisão crucial tenha sido seguir a dica de ir durante o outono, quando o tempo ainda está bom mas as multidões são bem menores.

A ilha principal de Veneza é pequena e pode ser bem explorada em 1-2 dias. Só tem 4 km de comprimento e 1 km de largura. Então, se você tem um dia extra lá, pode ir conhecer outras ilhas da grande lagoa de Veneza.

Barcas (ou vaporettos) são realmente o principal tipo de transporte público em Veneza – igual a ônibus ou metrô em qualquer outra cidade. Há bilhetes de 24, 48 e 72 horas, válidos para viagens ilimitadas de barca, que geralmente valem a pena (inclusive, há um bom desconto no bilhete de 72 horas pra pessoas menores de 29 anos!). Pra mais informações, veja aqui onde diz “public transport”.

venice_lagoon

Burano

Essa foi a minha ilha favorita na lagoa, depois de Veneza. As casinhas coloridas ao longo dos canais em direção à lagoa compõem um cenário extremamente fotogênico. A ilha é conhecida pelo artesanato de renda, que é vendido em lojas nas pequenas ruas. Fica a 30 minutos de barca de Murano e a 40 minutos de Veneza.

burano 01

burano 02

Torcello

Sinceramente, esta ilha é mais conhecida pela sua história do que pelas suas atrações. É bem pequena e não há muito para ver. Há duas igrejas que você precisa pagar para visitar e um pequeno museu. Nós decidimos visitá-la porque fica bem pertinho de Burano – então, se você estiver com um sentimento de “por que não?”, vá. Mas saiba que – pelo menos comparada às outras ilhas na lagoa de Veneza – esta não é tão encantadora.

torcello 01 torcello 02

Murano

Enquanto Burano e Torcello ficam perto uma da outra e mais longe da ilha principal de Veneza, Murano fica bastante próxima (uns 10 minutos de barca). E assim como Burano é conhecida pela renda, Murano é famosa pelos seus produtos de vidro, feitos à mão na ilha. Você pode assistir a artistas em ação fazendo as pequenas figuras de vidro dentro das lojas.

murano 01

murano 02

Sant’Erasmo

A ilha tranquila e pacífica de Sant’Erasmo não é algo imperdível para turistas – MAS é uma ótima opção para acomodação em uma visita a Veneza. Nós vimos que o Hotel Il Lato Azzurro tinha excelentes comentários no Booking.com e um preço ridiculamente melhor do que os hotéis na principal ilha de Veneza. Eu estava um pouco com pé atrás pelo fato de ser em outra ilha (localização é prioridade para mim quando busco acomodação), mas não sentimos que o trajeto de barca de 25 minutos de Veneza tenha sido longo (além do mais, nós tínhamos um bilhete com viagens ilimitadas). O charmoso hotel compensa pela distância com quartos com varanda e vista para o lago, um bom café da manhã, funcionários simpáticos e bicicletas gratuitas para os hóspedes pegarem emprestado quando quiserem. Obs.: eu não recebi absolutamente nada do hotel para recomendá-lo. 🙂

santerasmo 01 santerasmo 02

santerasmo 03 santerasmo 04

Outras ilhas

Nós também andamos por Mazzorbo, uma ilha residencial colada a Burano – muito tranquila e não exatamente  imperdível.

San Michele é uma pequena ilha-cemitério localizada entre Veneza e Murano.

Nós não fomos a Lido, no sudeste da lagoa, mas essa também é uma ilha que alguns turistas visitam quando estão em Veneza.


Então, há claramente mais em Veneza do que apenas a sua ilha principal. Mas uma coisa é uma constante: o transporte hidroviário, seja por gôndola ou vaporetto. Não dá pra perder (e nem se deve).

Roteiro turístico de Berlim

A maioria das principais atrações turísticas de Berlim fica no bairro central, Mitte. Aqui eu montei um itinerário para se ver todas elas numa ordem eficiente e a pé. É possível visitar todos os pontos turísticos de Mitte em 1 dia, mas pode ser cansativo. Dependendo do seu ritmo, este itinerário pode ser pausado e retomado no dia seguinte sem problemas. Vamos lá:

berlin-mitte-itinerary

Pontos no Centro (Mitte):

Comece pela Alexanderplatz (1), com a Torre de TV (Fernsehturm) e o relógio mundial. Há diversas lojas por ali – incluindo as bem baratas Primark, Decathlon e TK Maxx – e o shopping center Alexa ao lado.

Passe pela Rotes Rathaus (2) até chegar na Unter den Linden – a grande avenida central.

Siga pela Unter den Linden: logo depois do rio à direita, fica a Catedral (Berliner Dom) (3) e a Ilha dos Museus (5 museus um ao lado do outro).

Continuando pela Unter den Linden: ver o memorial ‘Neue Wache’, passar pelo prédio principal da Humboldt Universität (4) e seguir na avenida até chegar ao Portão de Brandemburgo (5), um dos maiores símbolos de Berlim.

Passando pelo portão, há uma longa avenida com a Coluna da Vitória no final, e ao redor um grande parque, o Tiergarten.

Siga à direita até o Parlamento Alemão (Bundestag ou Reichstag) (6). É possível visitar o topo do parlamento com áudio-guia totalmente grátis. Mas é preciso marcar com antecedência neste site aqui (‘Visit to the dome’). O prédio e a vista são lindos. Vale muito a pena!

Voltando em direção ao Portão de Brandemburgo e seguindo em frente: ali fica o Memorial do Holocausto (7), um labirinto de concreto que lembra um cemitério, com um efeito muito impactante. Ande por ele com respeito. Há também uma exposição gratuita no subsolo.

Seguindo na mesma direção, chega-se à Potsdamer Platz, com o Sony Center (8): uma cúpula gigante e moderna com restaurantes e cinema. Ali bem perto fica o shopping center Mall of Berlin.

Siga para a Topografia do Terror (9), mais um memorial sobre o nazismo, e depois para o Checkpoint Charlie (10) – um local que simboliza um dos antigos pontos de passagem entre Berlim ocidental e oriental na época do muro. Mas saiba que o checkpoint não fica no ponto exato onde costumava ser e hoje é apenas um local turístico.

Termine a rota no Gendarmenmarkt (11), uma praça bonita bem no centro de Berlim.


Fora do centro:

A East Side Gallery – a parte que restou do muro de Berlim, toda grafitada e colorida, é imperdível. Desça na estação S-Ostbahnhof e siga o muro até o final, chegando na ponte Oberbaumbrücke. Também vale a pena explorar à noite os bairros mais descolados / alternativos / hipsters de Berlim, Kreuzberg e Friedrichshain, que são conectados por essa ponte.

Outras dicas:

Em Berlim num domingo de tempo bom? Não deixe de ir ao Mauerpark! E aproveite pra ver o memorial sobre o muro, na mesma rua.

Vai ficar 3 ou mais dias em Berlim? Considere sair um pouco da cidade para visitar o Palácio Sanssouci e seus jardins, em Potsdam (mais ou menos 1 hora a sudoeste de Berlim), e/ou o museu do campo de concentração Sachsenhausen, em Oranienburg (mais ou menos 1 hora ao norte).

Quer fazer compras? Além dos shopping centers no centro já citados (Alexa e Mall of Berlin), uma ótima opção são as ruas Tauentzienstraße e Kurfürstendamm (apelidada de Kudamm), no bairro Charlottenburg. Ali também pode-se visitar o principal zoológico de Berlim e a Gedächtniskirche: as ruínas de uma igreja que foi bombardeada durante a segunda guerra e cuja torre principal encontra-se até hoje quebrada ao meio.

Vai estar em Berlim durante a primavera ou verão? Aqui está uma lista das coisas mais legais para se fazer por aqui na melhor época do ano!

Quer dicas sobre o que e onde comer em Berlim? Dê uma olhada nesse post.

Interessado em ficar por mais tempo? Veja aqui uma descrição de como é morar em Berlim.


Espero que você ame Berlim tanto quanto eu! 🙂

weloveberlin

O lago Obersee (Königssee) no Parque Nacional Berchtesgaden

A maioria dos lugares cênicos procurados por turistas são bem mais bonitos nas fotos do Google do que na realidade. Lá estão as melhores fotografias, pelos melhores fotógrafos, nos dias mais bonitos, e às vezes também com uma ajudinha do Photoshop. Por isso, eu tento não criar tanta expectativa quando vou visitar um desses lugares. Mas… o lago Obersee foi uma exceção. Surpreendentemente, ele conseguiu ser mais bonito ao vivo do que nas fotos que eu havia visto.

Trata-se de um lago cristalino e espelhado, rodeado pelos Alpes o que faz com que a água reflita a imagem das montanhas e do céu. Soa como o paraíso, né? E é mesmo.

obersee02

obersee01

O lago Obersee fica no final do lago Königssee, no parque nacional Berchtesgaden, bem ao sul da Alemanha, literalmente na fronteira com a Áustria. As montanhas dos Alpes que rodeiam o lago delimitam a fronteira. Apesar de estar em território alemão, a cidade (e aeroporto) mais próxima do parque é Salzburg que também é linda! Por isso, fica a dica de visitar Salzburg em um fim de semana ou feriadão e fazer um bate-e-volta de lá até Berchtesgaden é bem fácil, inclusive de transporte público.

O parque nacional Berchtesgaden também oferece várias outras atividades, como diversas trilhas e mirantes. Um deles é onde fica o Eagle’s Nest (Kehlsteinhaus), uma casa que foi dada de presente de 50 anos a Adolf Hitler como uma casa de chá para diplomatas. Berchtesgaden, aliás, era um local que Hitler gostava muito de visitar. Mas não deixe isso te desencorajar! A sensação de paz que a natureza desse parque proporciona realmente não merece ser associada a essa figura sombria do passado.

obersee03

Como chegar

Pegar o ônibus 840 em Salzburg até a parada final (Berchtesgaden Hbf, a estação de trem). A viagem leva só 45 minutos (mesma coisa de carro). De lá, pegar outro ônibus que vá até Königssee. Tudo é bem fácil de achar, até porque várias outras pessoas estarão fazendo o mesmo trajeto. Para voltar, é só pegar os mesmos ônibus no sentido oposto.

De Munique dá pra chegar em Berchtesgaden de trem com uma troca em Freilassing, mas cada trecho da viagem demora em torno de 3 horas (de carro, em torno de 2 horas).

Chegando na entrada para o Königssee, ande até a estação das barcas e compre um bilhete para o barco que faz o passeio pelo Königssee até o Obersee. No passeio, um guia irá explicar um pouco sobre o parque, apontar algumas cachoeiras bonitas e mostrar o efeito do eco no lago. O barco faz parada primeiro na estação St. Bartholomä, onde você pode saltar para visitar a capela, e depois pegar outro barco (incluído no bilhete) até a estação Salet. De lá, um pequeno caminho de uns 5 a 10 minutos andando leva até o Obersee.

Do outro lado do Obersee há um casinha e você pode andar até lá, contornando o lago por um caminho à direita (bem fácil de andar), e depois voltar. A vista do outro lado também é fantástica! E essa casinha é na verdade um pequeno restaurante, onde também há banheiros.

Não é permitido nadar no lago (apesar de algumas pessoas entrarem na beira).

Quando ir

Eu acredito que o lago e seus reflexos fiquem especialmente bonitos durante o verão, em um dia de sol. Eu fui em junho de 2015 e estava um dia lindo, e não muito cheio.

königssee
Capela St. Bartholomä no lago Königssee
obersee04
Obersee visto do lado oposto ao caminho de entrada

Para mais fotos desse destino, clique aqui.

Espero que você aproveite esse passeio deslumbrante que é visitar o parque Berchtesgaden e seus lagos Königssee e Obersee! 🙂

Retrospectiva: minhas viagens em 2016

O ano de 2016 não foi exatamente o melhor da vida pra muita gente pra mim inclusive. Mas o que salvou foram as viagens fantásticas que eu fiz. Se em 2015 eu consegui viajar todos os meses do ano, em 2016 foi quase (só fevereiro que não, snif). Mas eu visitei 3 países novos (Suécia, Malta e Bulgária), sendo o último o meu primeiro país cujo idioma usa um alfabeto diferente.

Ano passado eu fiz uma retrospectiva das minhas viagens de 2015, e num piscar de olhos chegou a hora de fazer o mesmo sobre 2016.

JANEIRO: Rio de Janeiro + Angra dos Reis / Ilha Grande + Arraial do Cabo (Brasil)
Meu ano começa na minha cidade natal, o Rio de Janeiro, que continua lindo. E nesse mês eu também fui a outras cidades do estado, com lindas praias (sendo a minha primeira vez em Angra e Ilha Grande finalmente!)

retro16_jan
Ilha Grande, RJ

MARÇO: Stuttgart, Karlsruhe, Tübingen, Heidelberg + Castelos da região (Baden-Württemberg, Alemanha)
Feriadão de Páscoa com dois amigos queridos. Fizemos uma viagem de carro pelo estado de Baden-Württemberg, no sudoeste da Alemanha, passando por diversas cidades e pelo menos 5 castelos diferentes.

retro16_mar
Vista para o Castelo Hohenzollern, Alemanha

ABRIL: Leipzig (Alemanha)
Minha segunda vez em Leipzig, pertinho de Berlim. Dessa vez a trabalho: fui com meus colegas de laboratório participar de uma conferência científica.

MAIO: Stockholm + Uppsala (Suécia)
Viagem de feriadão onde fiquei hospedada com uma amiga querida e sua família, e conheci duas importantes cidades da Suécia. Eu geralmente tenho sorte com o tempo em viagens, mas dessa vez foi bem impressionante: muito sol e calor por lá em pleno início de maio!

retro16_may
Estocolmo, Suécia

JUNHO: Malta
A viagem mais esperada e planejada do ano, que conseguiu superar as expectativas (que eram bem altas!). Já fiz dois posts sobre Malta: um sobre informações gerais e um roteiro completo. Não tem nem mais o que dizer – foi provavelmente a minha melhor viagem de 2016.

retro16_jun
Blue Lagoon, Malta

JULHO: Budapeste + Szentendre (Hungria) / Rio de Janeiro + Búzios (Brasil)
Minha segunda visita à Budapeste, dessa vez a trabalho e em pleno verão, rodeada de colegas queridos. Ainda deu pra ir conhecer a charmosa cidade vizinha Szentendre.
Depois passei uma semaninha curta, porém muito importante, no Brasil. Tive a honra de ser madrinha no casamento de dois grandes amigos em Búzios, uma cidade de praia perto do Rio. Sem dúvida um dos melhores fins de semana do ano!

retro16_jul
Casamento em Búzios, RJ

AGOSTO: Saxônia Suíça (Alemanha)
Fim de semana passeando pelo parque nacional perto de Dresden e seus arredores, com parentes visitando do Brasil. Tem post aqui contando tudo sobre esse destino.

SETEMBRO: Sofia + Plovdiv (Bulgária)
Mais uma viagem de fim de semana, para um destino um pouco diferente do comum. Já contei tudo sobre essa visita à Bulgária nesse post aqui.

OUTUBRO: Poznan + Wroclaw (Polônia)
Nem mesmo a falta de companhia me impede de viajar num feriadão. 😛 Fui sozinha mesmo conhecer Poznan (Posnânia) e Wroclaw (Breslávia), duas cidades polonesas relativamente perto da fronteira com a Alemanha.

retro16_oct
Poznan, Polônia

NOVEMBRO: Stettin (Polônia)
De novo na Polônia! Dessa vez só um bate-e-volta de Berlim. Nada como quebrar a rotina com amigos queridos num sábado, mesmo num clima congelante (mas ensolarado).

DEZEMBRO: Göttingen (Alemanha) + Rio de Janeiro (Brasil)
O bom filho à casa torna, então no último mês do ano eu fui visitar a cidade que foi meu primeiro lar na Europa: Göttingen. Foi maravilhoso rever meus amigos de lá, e estar novamente no meu mercado de Natal favorito.
E claro, em dezembro eu vou ao Rio, meu primeiro lar da vida, hehe. Que semanas incríveis foram essas férias!

retro16_dec
Mercado de Natal em Göttingen, Alemanha

Olhando assim, até que o saldo geral de 2016 foi bastante positivo! Ano passado vários feriados caíram em fins de semana, mas 2017 promete, com diversos fins de semana prolongados!

Boas viagens esse ano pra todo mundo! 🙂

Viagem de fim de semana à Bulgária

sofia.jpg
Catedral St. Alexander Nevsky em Sofia

Como vocês devem saber, eu tenho o hábito de procurar voos baratos para viagens saindo de Berlim, onde eu moro. Em uma dessas ‘caças ao tesouro’, eu encontrei voos não só super baratos, mas também nos horários perfeitos: ida sexta à noite e volta domingo à noite. Exatamente pro fim de semana. Uma raridade.

A viagem era à Bulgária, por 43 euros ida e volta com a Ryanair. Pra dar uma ideia do quão barato isso é: esse é o preço normalmente de uma viagem de trem na Alemanha (de ida e volta), que dure mais ou menos 2 horas cada trecho, caso você tenha o cartão que dá 50% de desconto, porque o valor normal é o dobro. Ou seja, voar por esse valor não é nada mau. Chamei um amigo querido que sempre topa essas minhas aventuras e compramos as passagens.

Duas colegas nossas que são da Bulgária haviam nos avisado que 1 dia é suficiente para ver a capital, Sofia, para onde voamos. E vários sites na internet com opiniões de viajantes sugeriam visitar também a segunda maior cidade da Bulgária, Plovdiv, que fica a 2 horas de Sofia. Então, foi o que fizemos: passamos o sábado em Plovdiv (bate-e-volta) e o domingo em Sofia.

A Bulgária foi o primeiro país que eu visitei cujo idioma tem outra escrita (eles usam o alfabeto cirílico). Além disso, quase ninguém fala inglês lá. Uma coisa que ajudou muito foi ter anotado como são os nomes das cidades que eu ia visitar no alfabeto deles, para conseguir reconhecer nas placas.

Foi uma leve aventura – mas eu quis visitar a Bulgária justamente por ser um país um pouco diferente dos que eu estava acostumada.


Sofia (София)

Do aeroporto para o centro de Sofia, é possível ir de ônibus ou metrô. Nós achamos mais fácil pegar o metrô, mas é bom saber que a estação fica no terminal 2, e as companhias aéreas de baixo custo (como a Ryanair) usam o terminal 3, que é um anexo à parte principal do aeroporto. Existe uma van que transporta passageiros entre os terminais 2 e 3 gratuitamente, mas ela não passa o tempo todo.

Em Sofia nós fizemos o free walking tour, que foi excelente, cobriu os principais pontos e nos contou muito sobre a história da Bulgária. O tour parte diariamente às 11h e 18h do Palácio de Justiça e tem duração de 2 horas.

PONTOS DE INTERESSE:
Catedral St. Alexander Nevsky (o principal cartão-postal da cidade), antigos banhos minerais de Sofia, Igreja Russa, Palácio Nacional de Cultura (NDK), Teatro Nacional Ivan Vazov (e parque ao redor), Palácio Real, Montanha Vitosha (uma enorme montanha bem próxima ao centro da cidade), Vitosha Boulevard: a rua principal, de pedestres, cheia de restaurantes e lojas (e turistas).

sofia02
Vitosha Boulevard e a montanha Vitosha ao fundo

Plovdiv (Пловдив)

COMO CHEGAR:
O melhor é ir de ônibus – a viagem dura 2 horas, e de trem demora 3 horas. A passagem custa 14 leva por trecho (7 euros) e pode ser comprada pouco antes da viagem na estação de ônibus, que fica bem ao lado da de trens. Geralmente os ônibus saem a cada hora cheia. Para garantir nosso lugar, nós compramos a passagem de volta assim que chegamos a Plovdiv. Ficamos na cidade de 11h às 18h, e foi suficiente. O ônibus é bem simples, mas cumpre a sua missão.

Você encontra o site da empresa de trens aqui (disponível também em inglês) e a de ônibus aqui (apenas em búlgaro! É aí que você compara as palavras pra achar a cidade que você quer, ou usa um tradutor online).

PONTOS DE INTERESSE:
Plovdiv é cheia de ruínas romanas espalhadas pela cidade. A mais impressionante de todas é o antigo Anfiteatro Romano – um enorme auditório construído na época a.C., e que até hoje ainda é usado como local de shows e eventos. Há também o Estádio Romano (debaixo da rua principal do centro) e o Fórum Romano.
Ande pela cidade antiga explorando as suas construções (como o Museu Etnográfico) e vistas para o centro. Perto das estações de trem e ônibus fica o Parque Tsar Simeon, onde um show do ‘chafariz mágico’ ocorre à noite.

Em Plovdiv também há um free walking tour que começa às 11 horas diariamente em frente à prefeitura, na rua principal.

plovdiv01.jpg
Antigo Anfiteatro Romano em Plovdiv

A Bulgária pode não ser um dos primeiros destinos que vêm à cabeça quando se pensa em Europa, mas com certeza vale a visita. A maioria das ruas e construções tem um aspecto bem simples e modesto, mas há vários pontos de interesse para turistas. É um país onde se gasta pouco, e é possível conhecer as duas maiores cidades em um fim de semana.

Para mais fotos da Bulgária, clique aqui.

A Bastei e o Parque Nacional da Suíça Saxônica

basteibridge
A ponte Bastei e a montanha Lilienstein ao fundo

A Suíça Saxônica (em alemão, Sächsische Schweiz) é uma região e parque nacional a 43 km a sudeste de Dresden. O nome foi dado porque a paisagem cheia de montanhas pode lembrar a Suíça – mas na verdade fica no leste da Alemanha, quase na fronteira com a República Tcheca.

A atração mais popular do parque nacional é a Bastei – uma formação rochosa de montanhas de arenito formada no período Cretáceo (há 100 milhões de anos). Ali fica a famosa ponte da Bastei (Basteibrücke), a 194 metros acima do rio Elbe. Há alguns mirantes na Bastei que permitem uma bela vista para a ponte e as montanhas ao redor.

Em uma das entradas da ponte fica o Felsenburg Neurathen – as ruínas de um antigo castelo rochoso. O ingresso custa apenas 2 euros. O local funciona como um museu a céu aberto, com um lindo visual para os arredores em pontes suspensas.

O acesso à Bastei é fácil e não é preciso fazer trilhas para chegar lá – apenas subir escadas, para quem não vai de carro. Mas quem quer fazer trilhas tem várias opções pelo parque nacional. Além da Bastei, outro ponto de interesse popular da região é a fortaleza de Königstein. Nós preferimos visitar a pequena cidade de Pirna na beira do rio.

festenburgneurathen01
Entrada do Felsenburg Neurathen

Quanto tempo ficar:
Um dia foi suficiente para visitarmos a Bastei e Pirna. Querendo ver outros pontos ou fazer trilhas, adicione mais dias.

Como chegar:

De carro: dirija em direção ao Bastei Berghotel, onde fica a entrada para a Bastei. Como somente hóspedes podem parar os carros no estacionamento do hotel, deixe seu carro no estacionamento do parque nacional, a 3 km, antes de chegar no hotel. De lá, sai um ônibus para a entrada da Bastei (e do Berghotel) por 2 euros ida e volta.

De trem: pegue o S1 em Dresden sentido Bad Schandau (dura 30 minutos), desça em Kurort Rathen e pegue uma barca para atravessar o rio. De lá, suba pelas escadas até chegar até a Bastei.

Nós fomos de carro e o acesso foi bem fácil (alugamos um carro em Dresden por 22 euros por dia). Mas vimos bastante gente subindo a pé até a Bastei. Parece ser cansativo, mas é viável. As escadas são largas e relativamente novas.

basteibridgeclose
Entrada da ponte Bastei
basteiview
Vista para o rio Elbe 

A Suíça Saxônica é uma área onde se pode caminhar pela natureza e admirar o visual de formações rochosas impressionantes. Dresden fica a 2h30 de Berlim, e há ônibus bem baratos fazendo esse percurso. Então, é uma opção super viável para uma viagem de fim de semana a partir de Berlim – ou um bate-e-volta saindo de Dresden ou Leipzig.